“Afinal, depois de muito tempo, cá estamos para falar sobre essa imensa mudança em nossa vida. Temos uma Golden Retriever linda, igual as que vemos nos sacos de ração! Quando ela veio para casa, foi uma festa! Pequenina, linda, parecia um peluche. Por este motivo (e também por outros), ela foi crescendo completamente sem limites. Passado 1 ano, tínhamos em casa (um apartamento) uma Golden que pensava (e parecia) ser um Rotweiller! Na rua, ninguém conseguia fazer-lhe festinhas (e como era bonitinha, todos queriam fazer!). Na verdade, ninguém nem conseguia passeá-la. Só eu o podia fazer. Meu enteado de 12 anos era completamente arrastado pelas ruas da vila caso tentasse tal aventura. Coincidência ou não, nosso vizinho do apartamento de baixo, mudou-se para um prédio a 200 metros do nosso nesta altura 🙂 .
Quando soubemos que teríamos um bebé na casa, decidimos que estava na hora de buscar ajuda. Vimos algumas coisas na net, mas nada convenceu-nos de facto. Então, lembrámos de uma publicidade que havíamos visto no hospital veterinário onde tratávamos ela. E entrámos em contacto com o Sr. João. Era dia 30 de Dezembro, e perguntámos-lhe quando poderíamos conhecer a Quinta da Lagoa, já esperando uma resposta do tipo “lá pelo dia 4 ou 5 de janeiro” ou “depois do Reveillón”… Então, com aquele jeito (sempre) bem-disposto, o Sr. João diz “traz a fera amanhã!”. E no último dia de 2011, lá estávamos no Cartaxo conhecendo a pessoa e o lugar que mudariam nossa vida com a nossa filhota peluda… E a mudança começou logo com uma ordem “tirem este peitoral dela! Quem usa peitoral, é cão que puxa trenó!”. E não é que só com isso, as coisas já pareciam diferentes? Depois disso, veio a parte mais difícil: deixar a nossa filha lá e só voltar 1 semana depois. Foi uma choradeira generalizada em casa! Mas, após a semana mais difícil de nossas vidas chega o fim-de-semana, e quando já estávamos no carro a sair de casa, recebemos uma ligação do Sr. João a dizer que ela não seguiria para o treino na Expo, pois estava “de castigo”. Já tinha avançado para mordê-lo mais de 2 vezes! Aquilo caiu como uma bomba em cima de nós e foi mais uma semana de choros… Na outra semana (depois de inúmeras ligações sempre bem recebidas pelo Sr. João), já achávamos que ele desistiria de treinar nossa filha, ou a “Golden do BOPE, do Tropa de Elite”, como dizia ele. Chegámos para o fim-de-semana seguinte de treino sem esperanças. Mas o Sr. João disse “nunca vi um Golden assim, mas vamos consertá-la!” . E realmente, não deveria nunca ter visto algo assim: a Tchuca quebrou alguns brinquedinhos que o Sr. João lhe apresentou; mordia a grade do canil com tanta força, que amassava os portões de ferro! E, lá se foram 3 meses, 1 a mais do que o inicialmente esperado, para que ouvíssemos do próprio Sr. João em mais de 2 treinos “a Tchuca foi a melhor do treino de hoje”, “a que mais se comportou”, “vocês não acreditariam no que estão a ver agora, se vissem esta cadela quando chegou”…
Estes comentários enchiam-nos de orgulho, principalmente porque não era só a Tchuca que havia mudado. Nós também aprendemos a ser donos de cão feliz. Aprendemos a ter disciplina nos treinos dela. Só assim conseguimos melhorar a qualidade de vida dela e a nossa!
Hoje em dia, meu enteado passeia a cadela todos os dias, as pessoas na rua fazem-lhe festinhas, ela sabe exactamente o que esperar de nós e nós dela.
Na TV, vemos o “encantador de cães” que vai à casa das pessoas, fala algumas coisas, e vai embora. Cá temos um conquistador de cães que nós vamos à sua casa toda semana e que não sai mais da nossa vida. Se o cão é o melhor amigo do homem, o Sr. João é o melhor amigo do cão. E como, amigo do meu amigo, é meu amigo também, ganhámos mais um amigo cá em Portugal (caso o “sotaque escrito” ainda não nos tenha denunciado, somos do Brasil 🙂 ).
Inclusive, o Sr. João deveria incluir esta informação na descrição dos treinamentos da Caninus – Hotel e Instrução Canina Lda. Alguma coisa do tipo “Promoção: treine seu cão e ganhe 1 amigo!”.
Temos a certeza de que se a Tchuca pudesse falar, com certeza agradecer-nos-ia por ter apresentado seu melhor amigo e aquele que mudou para muito melhor sua vida.
Em nome dela, da Juliana Lopes Peixoto Cunha e da nossa família, dizemos: Obrigado, Sr. João Névoa!.”

João e Ana Vaz