“Dizer que o João salvou a minha vida é pouco.
E começar assim um testemunho até parece – quase – mal, mas quando eu acabar a minha história, e para todos os que amem do fundo os vossos animais, vão perceber-me.
A Pepper é uma Leão da Rodésia (ou será Leoa?!). Tinha 2 meses e tal quando eu a fui buscar. Quando entrou no carro sentou-se ao meu colo,
assustadíssima, tremendo que nem varas verdes. Passados uns quilómetros
enroscou o pescoço no meu pescoço e passou assim a hora e meia de viagem que se seguiu. A partir desse momento, eu era dona dela e ela era minha filha.
A Pepper nunca se deu bem em espaços fechados. Na altura eu vivia num
apartamento, e apesar de sempre a ter passeado várias vezes ao dia e durante longos periodos de tempo, sempre que eu ia trabalhar ela aprontava mais uma.
Aprendeu rápido que xixis e cocós é na rua, mas era irrequieta com a trela e
teimosa que ela só. As coisas não iam bem, mas também não iam mal, e por
isso, à boa moda portuguesa, fui deixando andar. Isto até um belo dia chegar a casa e ter o sofá todo roído. Nessa altura eu vivia em casa da minha mãe e o sofá era dela! Foi aí que veio o ultimato: tens de dar a Pepper!
Desesperada e incapaz de abrir mão de um membro da família, comecei à
procura de casa para me mudar, uma casa que tivesse mais condições, um
quintal para ela brincar e ser mais feliz. Mas precisava de tempo e
precisava que a Pepper fosse ensinada, ficasse mais tranquila, menos
tresloucada, por assim dizer. Foi por sorte – é quase sempre assim que estas
coisas acontecem – que ao falar do meu problema no meu local de trabalho
alguém me falou no João.

Falei com ele e fui levar a Pepper no mesmo dia. Chorei o caminho todo até
ao Lumiar, o ponto de encontro para deixarmos os cães. O João falou
pacientemente comigo, disse-me para falar com outros donos, e levou a
Pepper. Chorei todo o caminho até casa. A Pepper era dependente de mim,
dormia comigo, via televisão comigo no sofá.. Tive medo que ela achasse que eu a estava a abandonar, que ela sentisse que eu não gostava mais dela, enfim, passei por todas as emoções que a maior parte das pessoas que aqui deixaram o seu testemunho passam.
Passado uma semana lá estava eu no Cartaxo, com medo da Pepper se ter
esquecido de mim. Nada! Lambeu-me dos pés à cabeça, estava feliz, e brincava com o João, confiava no João.

Durante 3 meses foi treinada. Mesmo depois de eu mudar de casa, o João ficou com ela mais uma semana que o previsto para completar o treino e dar-me tempo para eu me instalar. Deu-me dicas, deu-me na cabeça sempre que eu precisei, foi frontal, preocupada, carinhoso. A Pepper adora-o! Sabe que quando vai para a quinta vai trabalhar, mas também sabe que vai correr com os amigos e brincar com o Tio João!

Quando trouxe a Pepper para casa o João ligou-me várias vezes. Queria saber como tava a cadela DELE. Quando eu lhe digo que ela fez alguma coisa mal, ele diz que eu lhe estrago a cadela. E a verdade é que a Pepper está melhor treinada que eu. De vez em quando, quando fico sem paciência, quando ela se porta mal e eu não tenho paciência para a corrigir porque estou atrasada para o trabalho ou porque tou cansada e não me quero chatear, penso no João.
E penso que qualquer dia tenho eu de ir ser treinada por ele.
A Pepper, ainda com todas as lacunas que eu lhe permito, é uma cadela muito mais segura, muito mais obediente. Dorme na cama dela, não sobe para o sofá e é feliz assim. Sabe que os sítios dela são dela e os meus são meus. E sabe que todos os dias eu passo tempo de qualidade com ela, e por isso aprendeu a respeitar o tempo que eu preciso para mim.

O João é, sem dúvida, a melhor coisa que lhe aconteceu a ela e a mim. É um homem mais que honrado, daqueles que só existem nos filmes da década de 40.
Honesto como ele só. Frontal como ele só. Perfeccionista como ele só.
Carinhoso como ele só.
Tem um amor incondicional aos cães e não há dúvida que é retribuído. Comojá muitos disseram, e é a mais pura das verdades, se alguém se pode chamar Encantador de cães, é ele.
Eu sei que é difícil confiar a alguém o seu animal. Todos os testemunhos do
mundo não vão fazê-lo mais fácil! É sempre deixar uma parte de si ir, ainda
que só por um tempo.
Mas acredite quando lhe digo do fundo do coração que você e o seu animal
serão mais felizes, mais completos e mais tranquilos se tiverem a sorte de
conhecer o João.”

Sara Soares